Ex-diretor de Call of Duty implica com Call of Duty: Modern Warfare


Call of Duty Modern Warfare não terá o modo de zumbis

O próximo Call of Duty: Modern Warfare deste ano tem como objetivo voltar às raízes da franquia, tanto em termos de jogabilidade quanto na forma de contar histórias. Embora os jogos CoD mais recentes tenham sido bastante seguros, a série costumava ter uma reputação gigante, e a palavra é que a novo reboot retornará a essa abordagem com um cenário do Oriente Médio e um foco nas atuais realidades da guerra.

Nem todo mundo está animado para ver o CoD voltar à rota mais ousada, incluindo, ao que parece, o veterano da franquia, Michael Condrey. O diretor do Call of Duty: WWII, que deixou a Activision no ano passado para lançar um novo estúdio para a 2K Games, recentemente ofereceu seus pensamentos sinceros sobre os desafios que o novo Modern Warfare enfrentará. Ele também parece implicar que a direção do jogo pode ser uma manobra de manchete da Activision…

Eu respeito cada desenvolvedor que se esforça para entregar seu trabalho como uma extensão ou reflexo de sua visão artística. Dito isso, [Modern Warfare] parece ser um desafio difícil para qualquer estúdio, especialmente se eles estão sendo pressionar a publicar coisas mais controversas e “mais obscuras” por causa das manchetes.

Os desafios criativos do realismo de “Modern Warfare” são complexos. Os “heróis” ocidentais que matam “vilões” no Oriente Médio simplesmente não são bons o suficiente. Da mesma forma, espero que o objetivo declarado do jogo de descrever o realismo da guerra seja uma escolha infeliz de palavras, em vez da real intenção de descrever as atrocidades indescritíveis que são a realidade dos atuais conflitos modernos.

A desenvolvedora de Call of Duty: Modern Warfare, a Infinity Ward, respondeu à conversa gerada pelos comentários de Condrey, insistindo que estão “fazendo o jogo exato que queremos fazer”.

Call of Duty: Modern Warfare será lançado para PC, Xbox One e PS4 em 25 de outubro.