Review | Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes


Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes é um tributo a Suikoden de Yoshitaka Murayama, criador de ambos os jogos. O jogo carrega um grande peso: precisa atender às expectativas dos financiadores do Kickstarter, honrar a memória de Suikoden e provar que a equipe criativa ainda está à altura.

A equipe da Rabbit & Bear Studios, formada por membros da equipe original de Suikoden, criou Eiyuden Chronicle após a Konami ter bloqueado o IP em 2012. O falecimento de Murayama antes do lançamento foi um golpe duro, mas seu espírito está presente em cada momento do jogo.

Previsto originalmente para 2022, o jogo enfrentou atrasos, mas finalmente chegou. É um JRPG bem executado, que combina elementos modernos com uma sensação nostálgica. A paixão dos desenvolvedores pelo gênero é evidente em todos os aspectos, desde a história até as batalhas.

História

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes História

Em um canto de Allraan, um mundo ricamente diversificado em nações, povos e culturas, se desenrola a trama de Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes. Aqui, o Império Galdeano e a Liga das Nações dominam o cenário político, enquanto o condado de Grum, liderado por Perrielle Grum, se mantém como um bastião de resistência. Sua proteção é garantida pelo exército local e pela Guarda Eltisweiss, uma força de voluntários provenientes de toda a Liga.

Nowa, um jovem destemido, parte de sua aldeia remota em busca de aventura e conhecimento. Ao ingressar na Guarda Eltisweiss, Nowa é designado para uma missão conjunta com o jovem oficial imperial, Seign Kesling. Juntos, eles devem investigar Runebarrows, um local envolto em mistério e lar de uma Lente Principal, uma relíquia rúnica de imenso poder. O Império deseja usar essa lente para impulsionar sua própria prosperidade, mas o que Nowa e Seign não sabem é como as manipulações do Dux Aldric desencadearão uma guerra entre as nações.

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Liga das Nações

No meio desse turbilhão, está Marisa, uma Guardiã da floresta cujo destino se entrelaça com o de Nowa de maneiras surpreendentes. Enquanto os três heróis se encontram no epicentro dos eventos, mais de uma centena de personagens, cada um com suas próprias histórias e motivações, perceberão que há muito mais em jogo do que as ambições de um único indivíduo. A guerra que se desenrola transformará para sempre a paisagem de Allraan, revelando segredos antigos e desafiando as noções de lealdade e dever.

Campanha

A história gira principalmente em torno de Nowa, um jovem que se vê liderando uma aliança desorganizada contra o Império. A configuração parece quase uma paródia e pode causar uma sensação de clichê, especialmente para os familiarizados com a série Suikoden de Murayama. No entanto, o importante não é a originalidade radical, mas sim a maneira como essa estrutura e história familiar são contadas, e Eiyuden Chronicle faz isso com confiança suprema.

Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes é uma narrativa rica em intrigas políticas e guerras épicas, com mais de 100 personagens cruciais. Nowa pode ser o protagonista, mas a história não gira apenas em torno dele. Os Guardiões, um grupo da floresta, têm suas próprias tramas, lidando com política de clãs e colonização, entrelaçando-se com Nowa e a trama principal.

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Campanha

Os personagens são habilmente delineados, com motivações claras e personalidades marcantes. Mesmo nos momentos complexos, nunca há dúvida sobre quem é quem. A empatia pelos personagens é alta, surpreendendo quando personagens aparentemente secundários se tornam cruciais em momentos-chave.

Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes tem fortes paralelos com Suikoden II. A guerra entre a Liga e o Império ecoa a guerra entre as cidades-estado de Jowston e o Reino das Terras Altas. Personagens como Nowa e Seign lembram Riou e Jowy, respectivamente, embora com suas próprias nuances. Outros personagens também refletem semelhanças, como Lian e Nanami, e Garr e Viktor. Dux Aldric lembra Luca Blight, um dos vilões mais memoráveis de JRPGs.

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Enredo Nowa Seign

Além disso, elementos como as lentes rúnicas e as Lentes Primordiais são reminiscentes das Runas Verdadeiras da série Suikoden. A história de Eiyuden Chronicle alterna entre momentos leves e sérios, em linha com o tom das primeiras entradas de Suikoden. Esses aspectos combinam para criar uma narrativa complexa e emocionante, evocando a nostalgia dos fãs da série Suikoden.

Gameplay

Em Hundred Heroes, a essência do combate de Suikoden 2 é revivida, mas com uma série de novidades. Com uma equipe de até seis personagens ativos, aprimoráveis com runas que conferem diversas habilidades e buffs, a personalização é ampla. Cada personagem possui vários slots de runas, possibilitando a criação de combos únicos e vínculos de ataques entre os membros da equipe.

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Gameplay

Recrutar os mais de 100 heróis é fundamental no jogo. Alguns se juntam automaticamente, mas os mais interessantes têm suas missões próprias, oferecendo insights sobre suas personalidades e lugares no mundo do jogo. Apesar de terem papéis menores na história, suas animações detalhadas e falas dubladas os mantêm como parte integral da trama.

Ao longo do jogo, existem 120 heróis recrutáveis, cada um com um design único, facilitando a identificação e diferenciando-os. Nunca me confundi entre personagens como Yusuke e Wyler, mas sempre me empolguei ao encontrar novos heróis. Embora haja alguns designs menos inspirados (como um homem em um macacão colante e sexualmente agressivo), os acertos superam os erros.

Porém, nem todos os heróis são diretamente controláveis em combate. Alguns desempenham funções de suporte, oferecendo benefícios como recursos extras ou habilidades especiais. Outros se juntam à sede do protagonista. Mesmo assim, as opções nunca parecem limitadas; ao contrário, há sempre a vontade de nivelar o máximo de personagens possível.

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Posições

Ao receber uma grande quantidade de personagens disponíveis, minha principal frustração reside na dificuldade de equilibrá-los e garantir sua viabilidade para o grupo. Não é uma crítica à formação do grupo ideal, que discutirei em breve, mas sim à falta de um sistema de XP compartilhada, o que torna difícil usar todos os personagens disponíveis.

Principalmente no início do jogo, alguns personagens se juntavam a mim no nível 10, enquanto meu grupo principal já estava no 20. Seria muito útil se eles pudessem subir de nível passivamente em segundo plano, mesmo que em um ritmo mais lento, para que eu pudesse eventualmente incluí-los na equipe. Em vez disso, tive que arriscar suas vidas em batalhas muito mais difíceis do que deveriam ser, ou simplesmente deixá-los de fora. Infelizmente, muitas vezes optei pela segunda opção.

Combate

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Combate

Em Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes, o sistema de combate também lembra Suikoden, sendo baseado em turnos para 6 membros do grupo, com personagens posicionados em duas linhas de cada lado. É uma abordagem sólida do estilo clássico de JRPG, com um sistema aparentemente simples que esconde uma boa profundidade se você quiser explorá-lo.

A variedade de membros do grupo apresenta atributos diferentes, determinando suas especialidades, que aumentam com os níveis ou podem ser ajustadas com vários equipamentos ou lentes. Além disso, muitos personagens têm lentes exclusivas que concedem habilidades únicas, destacando-os no combate. O alcance e o tipo de arma também variam, com opções de curto, médio e longo alcance, dependendo da posição na linha de frente.

O tipo de arma é crucial, já que algumas são mais eficazes contra certos tipos de inimigos. Por exemplo, lutadores podem ignorar armaduras, enquanto armas de concussão podem quebrá-las, e armas de arremesso causam mais dano a inimigos voadores. Isso se soma a uma dinâmica tipo pedra-papel-tesoura, tornando cada personagem único.

No entanto, algumas animações ou efeitos podem ser demorados. Ver um movimento que leva cinco segundos para executar trinta vezes pode ser tedioso, embora se for eficaz, você provavelmente o usará repetidamente. Infelizmente, não é possível pular essas animações de combate ou desativá-las no menu, apesar de ser possível pular cenas da história.

Entretanto, há uma forte dose de estratégia envolvida. Alguns heróis só podem atacar na linha de frente, então um grupo cheio deles limitaria seu potencial. Outros ocupam dois espaços, o que significa um espaço a menos para outros heróis. Alguns também têm ataques conjuntos devastadores, como o irmão e a irmã cujas habilidades combinadas criam um ataque heroico poderoso.

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Duelos

Após alguns encontros, é compreensível por que o desenvolvedor incluiu a opção de batalha automática. Com seis personagens e poucas opções de ação, essa opção simplifica a experiência. Isso é útil para encontros regulares, mas os chefes exigem mais estratégia. A transição entre uma estratégia automática e manual pode ser um pouco abrupta, mas os encontros com chefes desafiam você a usar todo o potencial do seu grupo.

O combate é divertido, especialmente os ataques conjuntos, sem mencionar as lentes e equipamentos que permitem uma personalização profunda. As runas também oferecem uma maneira de individualizar seus personagens, o que é muito divertido.

Os seis membros do grupo se dividem em três posições na linha de frente e na retaguarda, cada uma desempenhando um papel crucial. Personagens de curto alcance geralmente causam mais danos, mas são vulneráveis na retaguarda, enquanto personagens longos são mais fracos, mas podem manipular o campo de batalha com segurança.

Apesar do desafio de manter todos no mesmo nível, ajustar constantemente a formação da equipe e as posições de batalha foi gratificante. A ordem clara dos turnos do jogo adiciona outra camada de estratégia, permitindo planejar ataques combinados e ajustar as ações de acordo com as circunstâncias.

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Mapa

Encontrar uma estratégia que funcione, mesmo que temporariamente, é extremamente gratificante, especialmente quando isso resulta em ataques conjuntos poderosos ou feitiços devastadores.

O sistema de combate é baseado em turnos, com prioridade dada aos personagens ou inimigos com maior velocidade, o que adiciona um grande elemento tático. Você precisa analisar a ordem dos turnos para maximizar curas, buffs e danos. Às vezes, é possível eliminar um inimigo antes mesmo de ele ter a chance de atacar. Enquanto alguns feitiços usam MP, a maioria dos ataques requer Pontos de Habilidade, acumulados ao longo da batalha. O combate é rápido e dinâmico, com os personagens atacando juntos ou quase sem pausa, criando a impressão de que estão trabalhando em equipe. Como os encontros são aleatórios, você terá muitas oportunidades de batalha, o que é útil para aumentar o nível dos novos personagens.

Por outro lado, os Combos de Heróis são decepcionantes. São apenas uma forma chamativa de desperdiçar o turno de vários personagens, já que seu dano é muito baixo em comparação com os ataques individuais. Parece que foram incluídos em Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes apenas por nostalgia, sem realmente contribuir para a jogabilidade. O mesmo se aplica às batalhas táticas, que eram cruciais na série Suikoden. Aqui, no entanto, são lentas e pouco envolventes, não alcançando a grandiosidade esperada. A maioria delas pode ser facilmente vencida atacando os inimigos e usando buffs, sem a necessidade de estratégias complexas.

Por sorte, os duelos um contra um são uma mecânica legada que funciona muito bem. Com animações excelentes e um sistema de pedra-papel-tesoura, eles evocam a sensação clássica de Suikoden.

Inimigos

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Chefes

A diversidade de inimigos não é exatamente vasta, mas também não chega a ser desastrosa. Costuma haver mais de cinco tipos diferentes em uma região, podendo eles ser organizados de várias maneiras. Alguns inimigos têm apenas uma mudança de aparência, e em um caso notável, até compartilham eventos e nomes semelhantes. No geral, é razoavelmente aceitável, mas devido à frequência dos encontros, você pode se sentir frustrado, especialmente se um inimigo específico estiver causando problemas.

As batalhas contra chefes em Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes são especialmente interessantes, muitas vezes introduzindo um “trunfo” inesperado que muda o curso da batalha ou te dá uma vantagem. Alguns exemplos residem em permitir que você posicione seus personagens atrás de coberturas para evitar ataques pesados do chefe; outro lhe dá a capacidade de operar um guindaste para jogar pedras nos inimigos; outro obriga a você derrotar inimigos que servem de base de sustentação para o chefe, derrubando ele e o deixando atordoado. Alguns desses truques exigem um pouco de sorte ou uma antecipação de turnos, mas adicionam uma camada extra de estratégia aos confrontos.

No entanto, isso não quer dizer que o jogo seja muito fácil. Alguns dos chefes apresentam uma curva de dificuldade desbalanceada, onde um chefe do início pode se tornar mais difícil que um chefe perto do fim. A incapacidade de escanear os inimigos para ver fraquezas ou até mesmo o HP torna as batalhas um tiro no escuro na esperança de que o próximo turno possa ser o último, no processo você pode ter que gastar todo o seu estoque de itens do seu inventário limitado. Já me vi em situações onde um chefe devorava meus itens de cura rapidamente enquanto eu lutava para manter meus healers vivos.

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Cena

Embora enfrentar os inimigos comuns não seja tão problemático na maior parte do tempo, há ocasiões em que até os inimigos comuns podem se tornar formidáveis com a composição errada do grupo. Certas configurações de mobs são simplesmente injustas. Se você estiver acompanhado por um personagem de baixo nível, ou alguns que não estão à altura dos outros, a dificuldade aumenta consideravelmente. As mecânicas de personalização, como as runas e os combos de heróis, deveriam ajudar, mas muitas vezes acabam não sendo tão úteis. Os slots de runas são desbloqueados em diferentes níveis, mas alguns personagens têm mais slots do que outros, o que parece uma maneira forçada de limitar o potencial dos menos privilegiados. Além disso, muitos desses slots são específicos para certos tipos de runas, o que restringe muito a personalização.

É verdade que, após recrutar alguns heróis poderosos, o jogo se torna consideravelmente mais fácil, talvez até um pouco demais. Os problemas de equilíbrio mudam drasticamente, mas ainda são irritantes em alguns casos.

Dungeons

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Dungeons

Em Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes, algumas dungeons possuem propostas únicas que se expandem conforme você avança. Cada dungeon apresenta uma mecânica central, explorada de maneira cada vez mais profunda à medida que você progride. Por exemplo, em uma das primeiras dungeons, a mecânica central é mover carrinhos de mina, usando-os para quebrar pedras e equilibrar elevadores. Essa dungeon foi bem projetada, explorando sua proposta de forma satisfatória e oferecendo uma variedade interessante de inimigos. No entanto, a proposta do level design desses locais acaba esbarrando em outro problema grave que atrapalha toda a experiência, os terríveis encontros aleatórios.

A taxa de encontro aqui é mais alta do que eu gostaria, era como se a cada dez segundos ou quinze passos que meu personagem dava, um novo grupo de inimigos brotasse do nada, interrompendo meu progresso e esgotando meus itens ainda mais. Não havia espaço para exploração, qualquer desvio do caminho significava mais batalhas que eu simplesmente não queria enfrentar.

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Mapas

Você já está em uma dungeon com quebra-cabeças, o jogo tem uma taxa alta de encontros aleatórios, os inimigos consomem de você recursos limitados e você ainda precisa acessar uma área do mapa sem saída na busca de baús e recursos, não tem como o jogador se sentir satisfeito em nenhuma das mecânicas que acabam se atropelando e colidindo resultando no aumento da frustração.

O problema se estende até mesmo ao mundo aberto, tornando o retrocesso uma tarefa árdua. Embora haja a opção de permitir que os inimigos fujam se estiverem abaixo de um certo nível em relação ao seu grupo atual, isso leva tempo e se torna tedioso repetir vezes sem conta. Além disso, não há ganho em derrotá-los, apenas um punhado de XP, e não há maneira de evitar esses encontros.

Guerra Tática

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Guerra Tatica

Eiyuden se inspira em Suikoden, refinando seu sistema de batalha campal. Ao longo da trama, você enfrenta momentos cruciais defendendo sua fortaleza, uma vila pacífica ou uma cidade movimentada, posicionando seus aliados como generais em enormes confrontos entre exércitos. Essas batalhas são estratégicas e baseadas em turnos, exigindo que você guie suas unidades para atacar ou repelir o inimigo com precisão. Surpreendentemente envolventes, esses embates estão entrelaçados com a história, conferindo-lhes uma sensação de importância palpável. São uma mudança de ritmo bem-vinda, proporcionando uma experiência divertida e estratégica, complementando os elementos de RPG de forma excepcional.

É uma abordagem sólida e competente para uma parte crucial do jogo, evitando a desconexão comum em muitos RPGs, nos quais se fala muito sobre guerra, mas ela raramente é mostrada ou decidida por aqueles que agem diretamente nela. Em nosso jogo, seus comandantes são vários membros da sua Aliança, trazendo uma perspectiva mais pessoal e imersiva para os conflitos.

Mini Games

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Minigame corrida

Em Eiyuden Chronicle, a evolução da base é abordada de forma diferente em comparação com Suikoden. Enquanto na série Suikoden a base melhora ao atingir marcos específicos de personagens recrutados e pontos de história, em Eiyuden Chronicle, esse espírito é incorporado a um sistema de gerenciamento mais elaborado no castelo. Aqui, você constrói instalações com base em quem recrutou, no estágio geral da área e nos materiais disponíveis. Embora não seja uma má ideia, pode parecer um tanto desnecessário em comparação com a simplicidade de Suikoden, onde as pessoas simplesmente se ocupavam com as coisas enquanto você estava fora, criando a sensação de que o progresso estava sempre em movimento.

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Minigame Carta

Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes apresenta uma variedade de minijogos, desde corridas de Sandship como o Shi’Arkcraft Racing, batalhas giratórias semelhantes ao Beyblade como o Beigoma, jogos de cartas estilo Gwent como o Card Battle, até corridas e treinamentos de Eggfoot, batalhas culinárias como o Cooking Battles (no estilo Iron Chef), peças de teatro e, é claro, pesca.

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Minigame pião

Os minijogos em Eiyuden Chronicle são em sua maioria bons, mas sua quantidade significa que falta a profundidade que os tornaria memoráveis instantaneamente. Por exemplo, as corridas de Shi’arkcraft são corridas de sandship bastante básicas em termos de mecânica. Se você reduzir os gráficos, elas pareceriam adequadas para um jogo de peso médio do NES ou até mesmo um título de 8 bits. É um dos minijogos mais subdesenvolvidos, carecendo de variedade. No entanto, a maioria deles está no mesmo nível, oferecendo diversão momentânea, mas nenhum é tão cativante a ponto de inspirar alguém a transformá-los todos em batalhas de Beigoma (e não, isso não é um desafio!).

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Base

Alguns dos heróis recrutáveis ​​podem se juntar à sua cidade em papéis não relacionados ao combate. Você pode designar esses heróis para administrar lojas ou instalações, como minas ou fazendas. No entanto, na prática, há pouca personalização disponível. Não é possível escolher onde colocar as fontes termais ou o restaurante; você simplesmente constrói um assim que a opção está disponível. Isso ajuda a tornar o produto final coeso, mas pode faltar um pouco de oportunidade para criatividade.

Conforme você recruta mais personagens, sua base cresce e você ganha acesso a várias melhorias que enriquecem ainda mais a experiência de jogo. Esse processo se torna o gameloop intermediário enquanto você se prepara para futuras invasões. A personalização é notável, com atualizações que permitem aprimorar quase todos os aspectos de sua fortaleza, que pode ser nomeada conforme sua vontade. À medida que você recruta e adquire atualizações, sua população também aumenta. No início, pode ser necessário um pouco de cultivo de itens, mas na maioria das vezes, você desbloqueia lojas de produção de materiais muito cedo.

Gráficos

Review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Cidade

Eiyuden Chronicle faz um bom uso do HD-2.5d, combinando pixel art com cenários em 3D, mas não surpreende. Os cenários em 3D possuem problemas de serrilhados, as texturas não impressionam e os efeitos de luzes não fazem jus a outros JRPGs que adicionaram efeitos parecidos. Exemplos como a série Octopath Traveler da Square Enix, apesar de ter um foco maior no 16 bits do que os 32 de Eiyuden, demonstrou uma maior maturidade e qualidade do que apresentado aqui. É claro que apesar de algumas falhas visuais, a estética geral é cativante e imersiva.

Trilha Sonora e Som

A trilha sonora do jogo é assinada por Motoi Sakurava e Michiko Naruke, dois compositores experientes em diversos JRPGs como a série Tales of, Wild Arms, Dark Souls, Star Ocean, Golden Sun e vários outros.

Como era de se esperar, a maioria das músicas evocam o sentimento nostálgico dos games antigos da era 32 bits. Enquanto me aventuro por suas regiões e desafios, as melodias reproduzíveis variam para dar a sensação de cada local, mas sempre se mantêm em segundo plano.

Apesar disso, a trilha sonora não se destaca tanto. Algumas trilhas são memoráveis, como o tema principal e as músicas de combate, mas outras parecem um pouco genéricas, ainda que se encaixem bem no mundo de Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes. A dublagem em inglês também é sólida, com vozes convincentes para os personagens principais e aceitáveis para os secundários e opcionais.

Vale a Pena?

review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes Vale a Pena

Há um grande potencial em Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes, com um combate que lembra o que fez de Suikoden uma série memorável, além de um mundo repleto de personagens variados. No entanto, escolhas de design que parecem presas ao passado podem afetar sua experiência. Se você conseguir superar esses elementos, encontrará uma ressurreição espiritual da série, mas também terá que lidar com alguns anacronismos irritantes.

A sua história tenta pegar elementos que fizeram sucesso nos melhores jogos da série Suikoden e os condensa em uma nova roupagem que evoca uma forma de contar histórias nostálgica, que embora não pareça inovadora, ainda funciona muito bem.

Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes é o último projeto de Yoshitaka Murayama, o criador da amada série Suikoden, que nos deixou no início deste ano. O jogo é uma homenagem calorosa aos fãs da série original e representa uma promessa cumprida de explorar territórios pouco percorridos em jogos recentes. Murayama teria ficado orgulhoso do resultado final, mesmo que não tenha vivido para vê-lo lançado.

*Jogo analisado no PS5 com cópia digital fornecida pela 505 Games.

Notas do Jogo
review Eiyuden Chronicle Hundred Heroes PS5 Capa

Título: Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes

Descrição do jogo: A nossa história começa num recanto de Allraan, um mosaico de nações com culturas e valores diversos. Pela graça da espada e através de objetos mágicos chamados de “lentes-rúnicas”, a história dessa terra foi formada pelas alianças e agressões dos humanos, homens-fera, elfos e o povo do deserto que lá residem. O Império Galdeano afastou as outras nações e descobriu uma tecnologia que amplifica a magia das lentes-rúnicas. Agora eles vasculham o continente em busca de um artefato que expandirá ainda mais o seu poder. Foi numa dessas expedições que Seign Kesling, um jovem e talentoso oficial imperial, e Nowa, um rapaz de uma aldeia remota, se tornaram amigos. Porém, uma surpresa do destino logo os levará ao calor da guerra e os forçará a reavaliar tudo o que acreditam ser correto e verdadeiro.

Gênero: JRPG

Lançamento: 23/04/2024

Produtora:Rabbit & Bear

Distribuidora: 505 Games

COMPRAR

Nota
7.8/10
7.8/10
  • História - 8/10
    8/10
  • Jogabilidade - 7.5/10
    7.5/10
  • Gráficos - 7.5/10
    7.5/10
  • Trilha Sonora e Som - 8/10
    8/10
Sending
User Review
5 (1 vote)

Veredito

Há um grande potencial em Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes, com um combate que lembra o que fez de Suikoden uma série memorável, além de um mundo repleto de personagens variados. No entanto, escolhas de design que parecem presas ao passado podem afetar sua experiência. Se você conseguir superar esses elementos, encontrará uma ressurreição espiritual da série, mas também terá que lidar com alguns anacronismos irritantes.

A sua história tenta pegar elementos que fizeram sucesso nos melhores jogos da série Suikoden e os condensa em uma nova roupagem que evoca uma forma de contar histórias nostálgica, que embora não pareça inovadora, ainda funciona muito bem.

Eiyuden Chronicle: Hundred Heroes é o último projeto de Yoshitaka Murayama, o criador da amada série Suikoden, que nos deixou no início deste ano. O jogo é uma homenagem calorosa aos fãs da série original e representa uma promessa cumprida de explorar territórios pouco percorridos em jogos recentes. Murayama teria ficado orgulhoso do resultado final, mesmo que não tenha vivido para vê-lo lançado.

Vantagens

  • História e personagens envolventes trazem a nostalgia da série Suikoden;
  • Gameplay pouco inovador, mas ainda divertido;
  • Muitos personagens para usar com atributos e poderes únicos;
  • Boa dublagem.

Desvantagens

  • Curva de dificuldade estranha;
  • Alta taxa de encontros aleatórios atropelam diversas mecânicas;
  • Vários problemas de qualidade de vida.

Qual a sua Opinião?

Gostei Gostei
6
Gostei
HAHAHA HAHAHA
33
HAHAHA
Não Gostei Não Gostei
60
Não Gostei
Bravo Bravo
26
Bravo
Legal Legal
40
Legal
Chorando Chorando
46
Chorando
Surpreso Surpreso
53
Surpreso
San Moreira
San Moreira tem 33 anos e é natural de São Paulo. Eu sou formado em Banco de Dados e Gestão Empresarial. Amante da cultura gamer, sempre apaixonado pelo universo. Atuando como jornalista e Content Manager de games com foco na plataforma PlayStation e Battle Royales como Free Fire. Teve a ideia de criar este site exclusivamente pela vontade informar e ajudar a comunidade gamer.

0 Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *