Microsoft diz que aquisição da Activision Blizzard não é anticompetitiva em resposta à Sony


Call of Duty: Modern Warfare 2 Logo e Teaser revelados oficialmente

A Sony conversou recentemente com o órgão regulador do Brasil sobre a aquisição da Activision Blizzard pela Microsoft e disse que Call of Duty é uma propriedade intelectual importante para o PlayStation e é uma franquia que “influencia a escolha de console dos usuários”.

A Sony alegou essencialmente que a aquisição da Activision Blizzard é anticompetitiva, pois pode influenciar as pessoas a mudar do PlayStation para o Xbox e disse que a série Call of Duty está em seu próprio nível de popularidade e tem sido o “esmagadoramente o jogo mais vendido” por seu gênero.

A Microsoft já respondeu às alegações da Sony, de acordo com um usuário do ResetEra que traduziu a resposta da Microsoft.

“Não surpreendentemente, a Sony foi o único terceiro a transmitir uma opinião pública materialmente diferente da MS/ABK e de terceiros em relação à análise competitiva da transação”, diz a resposta da Microsoft.

A Microsoft diz que a Sony não quer ver Call of Duty disponível no Xbox Game Pass no primeiro dia, pois a Sony não quer competir com o serviço.

“Em suma, a Sony não está resignada a competir com o serviço de assinatura da Microsoft”, afirma a Microsoft. “O clamor público da Sony sobre jogos por assinatura e a resposta da empresa são claros: a Sony não quer que serviços de assinatura atraentes ameacem seu domínio no mercado de distribuição digital de jogos de console. Em outras palavras, a Sony critica a introdução de novos modelos de monetização capazes de desafiar seu modelo de negócios.”

A Microsoft, em resposta à alegação da Sony de que Call of Duty é seu próprio mercado separado de todas as outras categorias, disse:

“A Sony está limitada a comentar sobre a força, lealdade e engajamento da marca Call of Duty. a seguir é uma premissa da qual a conclusão de que o jogo é uma ‘categoria de jogos em si mesma; não se segue.

“O próprio PlayStation tem uma base estabelecida por jogadores leais à marca. Essa constatação, porém, não leva à conclusão de que o PlayStation – ou qualquer produto de marca com consumidores fiéis – seja um mercado separado de todos os outros consoles. uma descoberta, a conclusão extrema de que Call of Duty é uma ‘categoria de jogo em si’ é simplesmente injustificável sob qualquer análise quantitativa ou qualitativa.”

A Microsoft mostrou dados de que apenas dois jogos da Activision Blizzard ficaram entre os 20 jogos de console mais vendidos de 2021, que incluíam franquias notáveis ​​​​de desenvolvedores de terceiros e exclusivos do PlayStation e da Nintendo.

Isso significa que a Microsoft acredita que Call of Duty é apenas um de uma ampla gama de jogos mais vendidos que inclui vários títulos que nem estão disponíveis nos consoles Xbox.

A Sony em sua resposta inicial mencionou que, nos últimos cinco anos, o Xbox Game Pass cresceu para capturar cerca de 60 a 70% do mercado  mundial de  serviços de assinatura. A Sony acredita que levaria “vários anos” para um concorrente criar um rival para o Xbox Game Pass, mesmo com investimentos substanciais.

A Microsoft diz que a Sony se contradisse ao dizer que o Xbox Game Pass cresceu nos últimos cinco anos para ser um sucesso, sem ter nenhum título da Activision Blizzard disponível no serviço. Isso significa que ter títulos como Call of Duty não seria essencial para que um concorrente se tornasse tão popular.

A Microsoft diz que o Nintendo Switch apesar de não ter títulos de Call of Duty tem sido um enorme sucesso para a Nintendo.

As razões discutidas pela Microsoft significam que eles sentem que a Sony está apreensiva com o aumento da concorrência quando o acordo com a Activision Blizzard for fechado, em vez de se preocupar com a Microsoft se tornar anticompetitiva.

A Microsoft continua listando cinco razões contra as alegações da Sony de que adicionar títulos da Activision Blizzard ao Xbox Game Pass levaria a uma liderança inatingível em serviços de assinatura para a Microsoft.

  1. não faz parte da estratégia da Microsoft remover conteúdo dos jogadores. Call of Duty ainda estará no PlayStation como um título buy-to-play.
  2. Os dados mostram que os jogadores veem serviços de assinatura como o Xbox Game Pass como apenas uma das muitas maneiras de pagar para jogar.
  3. A alegação da Sony de que o Xbox Game Pass poderia levar a uma liderança inatingível ignora “a natureza dinâmica desses serviços” e a “presença relevante da própria Sony nesse espaço”.
  4. A quarta razão foi totalmente redigida.
  5. Há uma forte concorrência, canais de distribuição de jogos rivais, incluindo lojas de console e serviços de assinatura, que já têm acesso aos jogos da Activision Blizzard, incluindo conteúdo exclusivo não disponível para consumidores da Microsoft.

PlayStation celebra lançamento do Novo PlayStation Plus na Ásia

A Microsoft acrescentou que o “Novo PlayStation Plus” é considerado um rival do Xbox Game Pass na indústria e “o uso de acordos exclusivos está no centro da estratégia da Sony para fortalecer sua presença na indústria de jogos“.

Juntamente com sua programação original, a Sony firmou acordos com editores terceirizados para garantir que alguns jogos sejam lançados como exclusivos no lançamento nos consoles PlayStation.

A Microsoft vê as alegações da Sony como um “medo em relação a um modelo de negócios inovador que oferece conteúdo de alta qualidade a baixo custo aos jogadores, ameaçando uma liderança que foi forjada a partir de uma estratégia centrada em dispositivos e focada em exclusividade ao longo dos anos“.

A Microsoft acrescentou que não lançar jogos da Activision Blizzard em lojas de consoles rivais não seria lucrativo para a Microsoft, pois só seria lucrativo se pessoas suficientes que jogam jogos da Activision Blizzard se juntassem ao ecossistema do console Xbox.


Qual a sua Opinião?

Gostei Gostei
33
Gostei
HAHAHA HAHAHA
60
HAHAHA
Não Gostei Não Gostei
20
Não Gostei
Bravo Bravo
53
Bravo
Legal Legal
66
Legal
Chorando Chorando
6
Chorando
Surpreso Surpreso
13
Surpreso
San Moreira
San Moreira tem 33 anos e é natural de São Paulo. Eu sou formado em Banco de Dados e Gestão Empresarial. Amante da cultura gamer, sempre apaixonado pelo universo. Atuando como jornalista e Content Manager de games com foco na plataforma PlayStation e Battle Royales como Free Fire. Teve a ideia de criar este site exclusivamente pela vontade informar e ajudar a comunidade gamer.